O crescimento não é tão complexo quanto parece!

87% das empresas passam por uma estagnação de crescimento e muito poucas realmente se recuperam. Um estudo da Bain and Company mostra que 94% dos executivos que dirigem empresas com receita superior a US $ 5 bilhões consideram os fatores internos como impedimentos importantes para o crescimento lucrativo.

86% dos clientes estão dispostos a gastar mais para uma melhor experiência do cliente. 70% dos clientes usam avaliações de clientes como a principal fonte para tomar decisões de compra. Uma pesquisa com 3.000 empresas B2B mostrou que mais de 75% consideram a experiência do cliente um fator importante na escolha de fornecedores.

Adquirir um novo cliente custa entre 5 a 25 vezes mais do que retê-lo. Além disso, os clientes fiéis têm 5 vezes mais probabilidade de comprar novamente, 5 vezes mais probabilidade de perdoar e 7 vezes mais probabilidade de experimentar novos produtos. A penetração da base de clientes pode proporcionar crescimento a um custo reduzido, ao mesmo tempo que melhora a fidelidade do cliente.

Em um mundo conectado, onde 70% dos clientes usam avaliações como a principal fonte para escolher entre as marcas, focar na experiência do cliente pode ser uma estratégia de crescimento poderosa. Para isso, a experiência do cliente deve nortear todas as unidades de negócios e todas as decisões. Aproveite a análise de big data para criar um envolvimento mais profundo com clientes fiéis por meio de conteúdo educacional, mensagens e promoções personalizadas.

A diversificação de clientes e produtos cria um crescimento de primeira linha com a venda de novos produtos a novos clientes. É arriscado, pois requer recursos organizacionais totalmente novos, como novos canais de distribuição, novos varejistas e manutenção de novos produtos. A recompensa é a redução do risco de longo prazo, pois uma carteira diversificada está mais bem equipada para resistir às mudanças do mercado.

A aceleração de mercado leva os produtos da sua empresa a novos mercados para criar um crescimento de primeira linha e aumentar a base de clientes. Ele pode ampliar a participação de mercado em novos segmentos de alto crescimento, compensar as paralisações de crescimento no mercado doméstico e dar à sua organização a capacidade de financiar outros caminhos de crescimento. No entanto, uma empresa pode se expandir demais, levando a uma experiência ruim para o cliente.

Existe um enorme potencial de crescimento na otimização de vendas. 64% dos clientes estão dispostos a pagar por uma experiência de compra mais simples. No entanto, apenas 54% das organizações de vendas alinham seus processos de vendas às jornadas dos clientes.

O treinamento das equipes de vendas nas melhores práticas éticas é crucial. A pesquisa da Mintel sugere que 56% dos clientes americanos param de comprar de empresas que consideram antiéticas. 35% param de comprar de empresas antiéticas, mesmo que não haja substituto disponível.

As fronteiras entre o varejo online e offline estão se confundindo. O showrooming permite que os clientes experimentem produtos em uma loja física e concluam o pedido online, eliminando imóveis caros, excesso de estoque e controle de estoque. Enquanto a Amazon comprou a Whole Foods para expandir sua presença física, o Walmart criou um modelo de “clique e receba” para otimizar a experiência de vendas.

Em uma economia de assinatura, é possível adquirir novos clientes e, ao mesmo tempo, perdê-los rapidamente para a rotatividade, resultando em uma estagnação do crescimento. Portanto, é crucial medir o Valor de Vida do Cliente (CLV) e não apenas o crescimento da receita.

Reter clientes e reduzir a rotatividade de clientes pode ser crucial para a receita.

Um aumento de 5% na retenção de clientes pode aumentar a lucratividade em 75%. 67% dos clientes citam experiências ruins como o motivo da rotatividade. A resolução suave dos problemas do cliente e o suporte proativo usando a tecnologia podem ajudar as organizações a ficarem à frente do churn.

As parcerias podem alavancar conhecimentos diferenciados para evitar custos e reduzir riscos ao entrar em novos mercados, adquirir novos clientes ou mesmo no desenvolvimento de produtos. 85% dos empresários consideram as parcerias estratégicas importantes ou extremamente importantes para seus negócios. No entanto, eles acham que menos de 60% das parcerias são bem-sucedidas.

A coopetição é baseada na ideia de que mesmo os concorrentes podem encontrar maneiras de criar benefícios mútuos que não podem ser alcançados individualmente. A coopetição se revolta contra a ideia de que o mercado é um jogo de soma zero. Em contraste, os concorrentes aproveitam as sinergias para aumentar o bolo.

A coopetição pode ser altamente arriscada. Funciona melhor quando os objetivos estratégicos convergem e os objetivos competitivos divergem. Quando as organizações são pequenas, a participação de mercado a ser capturada é vasta e cada uma pode aprender com a outra enquanto protege suas habilidades proprietárias, a coopetição pode acelerar o crescimento.

Há uma crescente demanda dos clientes por empresas responsáveis. 79% dos clientes preferem comprar de uma empresa com finalidade social. 61% dos clientes estão dispostos a gastar mais em produtos de marcas sustentáveis. Negócios sustentáveis ​​podem ser sua próxima estratégia de crescimento.

75% dos millennials estavam dispostos a aceitar uma redução no pagamento para trabalhar para uma empresa responsável. 83% seriam mais leais a uma empresa que os ajuda a contribuir com questões sociais e ambientais. 64% não aceitariam um emprego de uma empresa sem fortes práticas de Responsabilidade Social Corporativa (RSC).

As empresas estão experimentando diferentes formas de “capitalismo consciente”, que vão desde equiparar doações de funcionários, doar uma porcentagem fixa dos lucros até apoiar uma mudança para o empreendedorismo social. Ao contrário das organizações sem fins lucrativos, eles fazem isso enquanto são disciplinados pelos clientes, acionistas e pelo mercado.

O tempo do salto é crítico.

Mudar muito cedo significa perder receita potencial do caminho anterior, enquanto mudar muito tarde pode significar perder totalmente a oportunidade. A mudança de caminhos depende do monitoramento, preparação e execução.

O monitoramento requer a implementação de sistemas para rastrear os dados do caminho de saúde e crescimento da empresa. As métricas de saúde da empresa incluem pedidos, devoluções, participação de mercado, rotatividade de funcionários e margens de lucro. Cada caminho de crescimento tem suas próprias métricas específicas. É importante monitorar as métricas para os caminhos de crescimento atuais e futuros para cronometrar o salto.

Em última análise, o crescimento deve ser anticíclico . O melhor momento para criar a próxima grande oportunidade é quando os negócios estão indo bem, não quando a empresa está lutando contra uma desaceleração.

Tem um projeto para desenvolver?

Entre em contato e vamos conversar sobre ele
Gostou? Compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros posts